Sedrul’s

maio 10, 2008

Grande parte dos expulsos são brasileiros

Filed under: ashera — Ashera @ 5:16 am
Tags: , , , , ,

No Diario
“”Visa-se uma declaração política forte, com um inerente compromisso de princípios, a ser adoptado por todos, com objectivos ambiciosos em termos de conteúdo, agenda e calendário”, explica José Magalhães. Acrescenta que a França tem evidenciado abertura para introduzir alterações dos vários Estados membros, “importando que se obtenha um compromisso político concreto, não vago, única forma de a iniciativa ser interessante e útil à altura dos actuais desafios, designadamente o económico e o demográfico”.
******
Quando o mundo mente a Europa já está de quatro a pedir o pão!

maio 9, 2008

A Fábula de um País

Filed under: ashera — Ashera @ 5:11 pm
Tags:

Uma adolescente de 16 anos pode fazer livremente um aborto mas não
pode por um piercing.
Um cônjuge para se divorciar, basta pedir;
um empregador para despedir um trabalhador que o agrediu precisa de
uma sentença judicial que demora 5 anos a sair.
Na escola um professor é agredido por um aluno.
O professor nada pode fazer, porque a sua progressão na carreira a
está dependente da nota que dá ao seu aluno.
Um jovem de 18 anos recebe €200 do Estado para não trabalhar; um idoso
recebe de reforma €236 depois de toda uma vida do trabalho.
Um marido oferece um anel à sua mulher e tem de declarar a doação ao fisco.
O mesmo fisco penhora indevidamente o salário de um trabalhador e
demora 3 anos a corrigir o erro.
O Estado que gasta 6 mil milhões de euros no novo Aeroporto da Ota
recusa-se a baixar impostos porque não tem dinheiro.
Nas zonas mais problemáticas das áreas urbanas existe 1 polícia para
cada 2.000 habitantes; o Governo diz que não precisa de mais polícias.
Numa empreitada pública, os trabalhadores são todos imigrantes
ilegais, que recebem abaixo do salário mínimo e o Estado não
fiscaliza.
Num café, o proprietário vê o seu estabelecimento ser encerrado só
porque não tinha uma placa a dizer que é proibido fumar.
Um cão ataca uma criança e o Governo faz uma lei.
Um professor é sovado por um aluno e o Governo diz que a culpa á das
causas sociais.
O IVA de um preservativo é 5%. O IVA de uma cadeirinha de automóvel,
obrigatória para quem tem filhos até aos 12 anos, é 21%.
Numa entrevista à televisão, o Primeiro-Ministro define a Política
como “A Arte de aprender a viver com a decepção”.

Isto é Portugal

Bem Invulgar – Sêneca

Filed under: ashera — Ashera @ 1:28 pm
Tags: ,

Lucius Annaeus Seneca, melhor conhecido como Séneca,  o filósofo classificado geralmente como estoico, nasceu por volta do ano 4 a.C. em Córdova, na altura pertencente ao Império Romano, e morreu no ano 65 d.C. em Roma.

Apesar de ter sido contemporâneo de Cristo, Séneca não fez quaisquer relatos significativos de fenómenos milagrosos que aparentemente anunciavam o despoletar de uma poderosa nova religião, um facto tanto mais curioso quanto Séneca, como filósofo, ter-se-á interessado por todos os fenómenos da natureza, como observou Edward Gibbon, historiador representativo do iluminismo do século XVIII, perito na história do Império Romano e autor do aclamado livro História do Declínio e Queda do Império Romano, uma referência ainda hoje.

“Um homem a quem é dado possuir um bem invulgar não pode considerar-se um homem vulgar. Cada um é tal qual os bens que possui. Um cofre vale pelo que tem lá dentro, melhor dizendo, o cofre é um mero acessório do conteúdo. Imaginemos um saco cheio de dinheiro: que outro valor lhe atribuimos além do valor das moedas nele contidas? O mesmo se verifica com os donos de grandes patrimónios: não passam de simples acessórios, de suplementos. A razão de o sábio ser grande está na grande alma que possui. Por conseguinte, é verdade que tudo quanto está ao alcance do mais desprezível dos homens não deve ser considerado um bem. Nunca direi, por exemplo, que a insensibilidade é um bem: quer a cigarra quer o pulgão são dotados dela! Nem sequer chamarei um bem ao repouso ou à ausência de desgostos: há bicho mais repousado do que um verme? “

Séneca, in ‘Cartas a Lucílio

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.